5 Coisas que todo ginecologista odeia e muitas mulheres nem imaginam! A 5ª é a pior…

Para uma boa saúde, a mulher deve ir frequentemente ao ginecologista, mesmo que não tenha nenhum problema aparente.

Infelizmente, muitas muitas mulheres não frequentam consultórios por terem vergonha, o que não é nada recomendável. Nos dias de hoje, com tanta informação, não é mais possível conviver com costumes antigos, principalmente quando é a saúde que está em causa.

Pois foi pensando nessa falta de diálogo entre médico e paciente que hoje temos para você um artigo que fala das 5 coisas que, segundo relatos de verdadeiros ginecologistas, não são lá condutas muito apropriadas para o dia da consulta. Confira!

1- Quando a pacientes pede desculpas por suas pernas ou partes íntimas peludas

Segundo Jorge Amorim, médico-ginecologista particular de Salvador, ele constantemente escuta pedidos de desculpas de suas pacientes porque não se depilaram

O profissional de saúde diz que não está nem um pouco preocupado com isso e diz que não conhece nenhum médico que se importe. Mas ele diz que se sente um pouco incomodado por suas pacientes se sentirem desconfortáveis, ou até mesmo acreditarem que precisam estar sempre depiladas.

2- Quando a paciente acredita cegamente naquilo que previamente pesquisou na internet

Segundo o ginecologista, pessoas que tomam um papel ativo na sua saúde são sempre bem-vindas. Mas ele conta que há casos em que a paciente tem uma ideia  pré-concebida da doença que tem – ou acha que tem -, o que é muito chato. Muitas acreditam em qualquer coisa que leem na internet e isso prejudica muito o tratamento.

3- Quando a paciente não faz os exames de prevenção como deveria

Mulheres da faixa etária dos 20 aos 65 anos, tem hoje em dia à disposição alguns exames preventivos que podem e devem ser feitos a cada 3 anos. De extrema importância, um deles é o famoso Papanicolau e há também o teste de Papiloma Humano.

4 – Quando a pacientes realmente acredita que os hormônios são os únicos responsáveis por uma baixa libido

Segundo Lourdes Barcellos, médica ginecologista do estado de São Paulo, os hormônios certamente influenciam na libido da mulher, mas o que é realmente determinante são os fatores emocionais quando o assunto é o desejo sexual de cada um. Ela diz que a única exceção nesses casos são as mulheres que já entraram na menopausa.

5 – Quando a paciente esconde seus sintomas

Segundo a ginecologista Mara Rabello, que trabalha como médica particular em Salvador, é da responsabilidade dos profissionais de saúde zelar pela saúde de suas pacientes. Ela diz que, em muitos casos, superar a timidez pode ajudar a salvar vidas. Muitas mulheres tentam mitigar os sintomas na esperança de que não seja nada de grave, mas esse é um comportamento errado.